Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

Segundo a lenda, foi o pai da princesa Peralta, Arunceemir de Conímbriga –, o responsável por erguer este castelo num lugar recôndito e embrenhado na floresta. De facto, este castelo deve a sua construção às guerras entre cristãos e muçulmanos. Terá sido construído pelo conde Sesnando Davides no século XI, incumbido por Fernando Magno, rei de Leão e Castela, de governar a região de Coimbra. De facto, o castelo é documentado pela primeira vez em 1087 no testamento do referido conde, onde este declara que mandou povoar o local.

O castelo tinha um valor estratégico importante para a defesa dos acessos a Coimbra e travar as investidas mouras que vinham do vale do rio Zêzere. Em 1124, uma incursão moura tomou o castelo. Mais tarde, os portugueses conseguiram reaver o castelo e D. Afonso Henriques concedeu foral ao território de Arouce em 1151. O castelo, construído em xisto, tem pequenas dimensões e deve o seu aspeto e configuração atuais essencialmente às alterações efetuadas entre finais do século XIII e inícios do século XIV, bem como às campanhas de reabilitação da DGEMN de meados do século XX. A fortificação tem uma forma oval, estando as muralhas protegidas por 4 cubelos semicilíndricos. A torre de menagem, de forma quadrangular, destaca-se do conjunto com os seus 18 metros de altura.


para saber mais:http://www.patrimoniocultural.gov.pt (Classificado como MN - Monumento Nacional)