Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

Os últimos elementos da família real portuguesa, incluindo D. Amélia, manifestaram grande carinho pela Mata Nacional do Bussaco e visitaram-na várias vezes. D. Manuel, por exemplo, esteve no Bussaco dias antes da revolução republicana. A envolvência natural e o romantismo da paisagem, com um povoamento florestal luxuriante (com flora nativa e aclimatada) e um complexo eremítico abandonado, atraíram o espírito ilustrado da realeza. Séculos antes, já os carmelitas descalços da província de Portugal tinham-se interessado por este lugar ermo e instalaram aqui um “deserto”, ou seja, uma casa de retiro e penitência.

O legado destes religiosos é ainda bem percetível, por exemplo, no que resta do Convento de Santa Cruz, nas 20 capelas dos passos da via-sacra, nos 11 eremitérios, nas capelas votivas, cruzeiros ou fontes. Os desertos carmelitas estavam interditos a mulheres, sob pena de excomunhão. Mas, os recantos tão afamados do Bussaco não despertavam apenas a curiosidade das plebeias: já em 1693, D. Catarina de Bragança (rainha consorte de Inglaterra – viúva de Carlos II e responsável pela introdução do chá e dos talheres no Reino Unido) tinha manifestado vontade de conhecer a Mata, pelo que foi aberta na cerca uma porta para o efeito, que ficou conhecida como Porta da Rainha.

Essa visita acabou por não se realizar e a primeira rainha a entrar por essa porta foi D. Maria II, em 1852, já depois da extinção das Ordens Religiosas em Portugal (1834). Associado para sempre à Mata está ainda o desterro, por ordem do Marquês de Pombal, a que foram sujeitos os “Meninos da Palhavã”, filhos bastardos do rei João V, entre 1760 e 1777 (ano da morte do rei D. José).


para saber mais: http://www.fmb.pt