Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

O Dólmen de São Pedro Dias é um sepulcro megalítico construído pelas comunidades do Neocalcolítico. Hoje, embora com problemas de conservação, não sendo imediatamente percetível a sua forma original, são ainda visíveis a mamoa e vestígios da câmara sepulcral. É possível perceber que era uma estrutura de grandes dimensões (com cerca de 25 metros de comprimento e 18 de largura). Este Monumento está localizado, a cerca de 50m da Estrada da Beira – N17 -, no alto da serra de São Pedro Dias e no topo da crista quartzítica da Serra da Atalhada, tendo o rio Alva ao fundo e a serra do Bidoeiro próxima.

Esta Zona Geográfica é um importante condutor de movimentação humana há milhares de anos e com grande importância a nível nacional – desde as deslocações do gado transumante até a movimentações militares, caso das Invasões Francesas. A exposição solar bastante generosa aliada à sua altitude e amplitude permitem vistas privilegiadas, incluindo a contemplação do majestoso e predominante maciço da serra da Estrela. O local caracteriza-se pela grande ocupação florestal, o que de resto é também característica de Vila Nova de Poiares, com zonas bastante declivosas devido às serras envolventes e aos vales do Rio Alva.

Pelas encostas e vales das serras adjacentes, foram, desde os primórdios da ocupação humana, exploradas as riquezas naturais, tais como o barro – preservado até aos nossos dias através da faiança do Barro Preto do Olho Marinho -, ou a “pedra de Alveite” – arenito característico de Vila Nova de Poiares, de cor avermelhada, e que, durante os tempos foi amplamente utilizado por toda a região na construção civil, elementos religiosos, arquitetónicos e decorativos, e levado por todo o país talhado em mós para moagem de cereais e lagares.

Além dos atrativos paisagísticos e da riqueza ecológica proporcionados pelo vale do rio, ornamentado pela flora ripícola (com destaque para salgueiros, amieiros, mas também com outras espécies como o carvalho e o medronheiro), encontra-se, a pouca distância deste local, na direção oeste, a Ponte de Mucela, estrutura viária com um passado relevante, havendo referências de esta ter substituído uma antiga ponte romana e que, no séc. XVI, desempenhou um papel fundamental na região enquanto via de comunicação que ligava o litoral ao interior pelo rio Alva. Destaca-se a curiosidade de a ponte ser composta por quatro arcos, estando dois sobre o rio Alva e os outros dois sobre a povoação.

para saber mais: http://www.patrimoniocultural.gov.pt (Dólmen de São Pedro Dias, classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público); http://www.cm-vilanovadepoiares.pt