Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

Construído entre 1690 e 1704, pelo Bispo-Conde de Coimbra, D. João de Melo (1624-1704), este edifício integrou o morgadio da Figueira, instituído pelo seu sobrinho, o cónego D. José de Melo e Mendonça, em 1735, mantendo-se na posse da família até ao primeiro quartel do séc. XIX. Situado em frente ao cais do porto da Figueira, a Casa do Paço é um edifício de planta longitudinal, em “U”, sendo a fachada do lado sul rematada com um torreão, embora o projeto inicial contemplasse dois torreões simétricos. O acesso ao seu interior situa-se do lado norte, no Largo Prof. António Vítor Guerra. O i nterior, q ue f oi a lvo d e d iversas t ransformações, possui grandes divisões, algumas das quais cobertas por elevadas abóbadas. No torreão, a cúpula termina em falso lanternim. Classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1967, a Casa do Paço assume especial relevância pelo invulgar conjunto de azulejos holandeses de figura avulsa que revestem quatro salas do piso nobre, estilo delft, num total de cerca de 6.700 peças, em tons de azul e manganés, executadas na primeira década do séc. XVIII, em Roterdão. Subdivididos em três temas: paisagens holandesas, cenas bíblicas e cavaleiros, a chegada destes azulejos à Figueira da Foz poderá ter resultado da carga de uma fragata holandesa, que arribou em 1706 na foz do rio Mondego. Em pleno século XIX, a Casa do Paço foi sede de diversas instituições e serviços, nomeadamente, de um teatro e do Museu Municipal (1894-1899), fundado por Santos Rocha, entre outros.

Morada: Largo Professor António Victor Guerra, nº 4 3080-072 Figueira da Foz
Contactos Tel.: (+351) 966 913 607
Email: teresa.folhadela@cm-figfoz.pt