Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

Antiga linha do comboio

Antiga linha do comboio

Videira Vitis vinifera

Videira Vitis vinifera

A Rota da Vinha é um pequeno percurso circular inserido no projeto transversal “Mar e Zonas Dunares” da CIM-RC, um total de 14 km entre as vinhas da Região Demarcada da Bairrada, no concelho de Cantanhede.

O seu elevado interesse paisagístico e cultural faz dela um produto dinâmico pela associação ao ciclo vegetativo da vinha, permitindo ao visitante vivenciar as diversas fases desta atividade centenária, desde as vindimas de outono, à poda e empa no inverno, à floração na primavera e à chamada “poda verde” no verão. Esta experiência sensorial, num quadro paisagístico moldado por mãos experientes, pode ser enriquecida com a visita a adegas tradicionais, onde é possível degustar vinhos oriundos de um terroir de exceção, com predominância dos produzidos a partir da muito aclamada casta autócone Baga. Na área envolvente à vinha, são frequentes as monoculturas de eucalipto e pinheiro-bravo, destacando-se, pontual- mente, a presença de algumas espécies arbóreas características da vegetação mediterrânica, como o carvalho-cerquinho, o sobreiro, o pinheiro-manso e a oliveira. O estrato arbustivo destes pequenos bosquetes são representados essencialmente pelo medronheiro, tojos e murta. Para o visitante mais atento e perspicaz, a Rota da Vinha proporciona o avistamento de fauna diversificada, designadamente algumas espécies tradicionais do território nacional, como a rola-brava, o pombo-bravo, o tordo-comum, a perdiz, a pega, o melro, o gaio, a gralha-preta, o pardal-comum, o coelho-bravo, a lebre-ibérica, a raposa e o sardão, entre outras. Para além da forte componente natural, a rota permite também conhecer o meio rural e a comunidade local da área onde se insere. Iniciando na povoação da Cordinhã (localidade predominantemente agrícola, com especial apetência para a produção de vinho), o percurso leva à descoberta da desativada linha férrea que ligava a Figueira da Foz à Pampilhosa, infraestrutura que rasgou o território ao meio e que desempenhou um papel vital no desenvolvimento económico e social de toda a região. Alguns quilómetros mais adiante chega-se à povoação de Ourentã, cuja economia se baseia principalmente na agricultura, em particular na produção de vinho, fruta e legumes, assim como em alguma indústria, sobretudo ligada à pirotecnia e às rendas e bordados.

Mapa PDF

 

 

Características

Extensão 14 km
Duração 3h00m
Tipo de percurso Circular
Desnível acumulado -107,5m
Altitude 173m/79m
Época aconselhada Todo o ano

Dificuldade
Avaliado de 1 a 5 (1: fácil; 5: difícil)

Tipo de piso 2
Esforço Físico 2
Adversidade 2
Orientação 2