Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

O percurso interpretativo da Livraria do Mondego enquadra-se no projeto transversal “Rios e Zonas Húmidas” da CIM-RC. Com uma extensão de apenas 800 metros, este percurso permite descobrir um acervo sobre a geologia e biodiversidade da região de Coimbra absolutamente ímpar.

Desenvolvendo-se na margem esquerda do Rio Mondego, junto ao IP3, em Penacova, constitui um segmento que valoriza a pequena rota PR1 PCV “Penacova, o Mondego e a Lampreia”. A Livraria do Mondego deve o seu nome à semelhança proporcionada pela verticalidade de altas assentadas de quartzitos ordovícicos, bastante fraturadas, e a disposição de livros numa estante. Constitui uma formação rochosa esculpida pelo Rio Mondego ao longo de mais de 400 milhões de anos, que faz parte da grande falha tardi-hercínia que se estende de Ourense à bacia da Lousã.

Sendo considerado um dos mais singulares monumentos naturais portugueses, pelas suas características geológicas e escultóricas, foi classificado por Galopim de Carvalho como um Geomonumento ao Nível de Afloramento. Na sua composição é possível identificar vestígios de um areal de praia com 450 milhões de anos, cujo formato simétrico das cristas sugere que se tenha formado pela ondulação do fluxo e refluxo das marés. A vegetação potencial do troço do rio é constituída por espécies ripícolas como salgueiros, freixos, amieiro, choupos, carvalho-alvarinho, pilriteiro e outras espécies que refletem a influência mediterrânica, como o aderno-bastardo, lentisco e medronheiro.

Ao longo do percurso poderá observar algumas espécies caraterísticas das fissuras rochosas, como o umbigo-de-vénus, uva-de-gato, douradinha, polipódios, cravinas-bravas e narcisos, constando, esta última espécie, do Anexo IV da Diretiva Habitats.

Contudo, a presença de espécies exóticas invasoras constitui um importante fator de degradação das formações ripícolas e rupícolas, salientando-se, pela sua agressividade ecológica, a mimosa, a austrália, a tintureira e a espécie aquática erva-pinheirinha. Nas margens do rio Mondego, a lontra aproveita para repousar durante o dia, sendo possível observar o guarda-rios , o corvo-marinho-de-faces-brancas, a águia-de-asa-redonda ou o milhafre-negro.

Características

Extensão 0,8km
Duração 00h30m
Tipo de percurso Linear
Desnível acumulado +12m
Altitude 53/39m
Época aconselhada Todo o ano

Dificuldade
Avaliado de 1 a 5 (1: fácil; 5: difícil)

Tipo de piso 1
Esforço Físico 1
Adversidade 1
Orientação 1