Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

O percurso da Serra do Carvalho insere-se no projeto transversal “Serras de Coimbra”, da CIM-RC, ligando o Louredo Natura Parque (na povoação de Louredo, junto ao rio Mondego) ao Monumento aos Aviadores, na Serra do Carvalho.
Com uma extensão de 9,5 km e de formato linear, este percurso procura realçar elementos da história recente e o potencial natural do concelho de Vila Nova de Poiares. A serra do Carvalho é a unidade geológica de maior altitude do concelho, com 458 m de altura, formada principalmente de xisto-grauváquico. Aqui foi erigido o Monumento aos Aviadores, em homenagem ao mais trágico acidente da aviação militar portuguesa, e um dos maiores a nível mundial, ocorrido em 1 de julho de 1955, na serra do Carvalho, que envolveu o despenhamento de oito aviões e o consequente falecimento dos oito pilotos. Todos os anos, a 1 de julho, a Força Aérea Portuguesa, o Município de Vila Nova de Poiares e a população local assinalam a data em cerimónia militar e religiosa. O monumento contempla um cruzeiro, em pedra, desenhado no solo (visível do ar) e uma pequena capela dedicada a Nossa Senhora do Ar. O percurso segue pela aldeia do Carvalho e continua pela aldeia de Soutelo, permitindo, ao longo da caminhada, desfrutar dos bosques autóctones de carvalho-negral, com carvalho-cerquinho e carvalho-alvarinho, pontuados por exemplares de azinheira e sobreiro. Também marcam presença as plantações de castanheiro, de pinheiros e, ocupando uma grande área, de eucalipto. No estrato arbustivo, merece destaque a carqueja, o tojo-arnal, as estevas e a urze. De salientar, no estrato herbáceo, a ocorrência de espécies caraterísticas de carvalhais, como as esporas-bravas, um endemismo ibérico. Ao descer a serra, se for em silêncio, é possível avistar o javali ou a raposa, que aqui não têm predadores, ou cruzar-se com espécies fascinantes como o veado, o corço ou a águia-de-asa-redonda. O percurso segue até às margens do Rio Mondego, onde espécies como o freixo, o carvalho-alvarinho, o salgueiro ou o amieiro, abri- gam e dão sombra a uma rica diversidade faunística, nem sempre de fácil observação. Com sorte poderá vislumbrar o melro-de-água, a alvéola-branca, a rã-ibérica, a cobra-de-água-viperina, a lontra, a boga, o barbo ou a truta. O final do percurso, no Louredo Natura Parque, uma parcela de choupos com uma área superior a um hectare, junto ao Rio Mondego, permite ao visitante repousar da empolgante caminhada proporcionada pela fauna e flora do concelho e desfrutar de um recinto dotado de boas infraestruturas, tais como sanitários, parque de merendas, bebedouros, centro de aventura ou zona de lume. Do parque é possível apreciar as características da Serra do Carvalho, nomeadamente a sua orografia declivosa.

Mapa PDF

 

 

Características

Extensão 9,50 km
Duração 2h35m
Tipo de percurso Linear
Desnível acumulado -494 m
Altitude 431 m / 33 m
Época aconselhada primavera e outono

Dificuldade
Avaliado de 1 a 5 (1: fácil; 5: difícil)

Tipo de piso 2
Esforço Físico 2
Adversidade 1
Orientação 2