Este site utiliza cookies. De uma forma geral, os cookies são utilizados para melhorar a experiência de navegação no site e para melhorar a qualidade dos serviços que disponibilizamos através do mesmo.

Ao clicar “Aceito” está a autorizar a utilização dos nossos cookies. Poderá encontrar mais informação acerca do uso que fazemos de cookies na nossa Política de Cookies.

O Trilho do Vale encantado é um percurso que sem dúvida vale a pena fazer, se não veja. Este é um percurso linear. Quando chegar ao final, pode voltar atrás pelo mesmo caminho, ou se vier em grupo e tiver mais de uma viatura, podem deixar uma no início e outra no final. Inicie a sua caminhada no Largo do Freixieiro, onde pode começar por observar uma aldeia que se mantém em constante evolução, dentro dos traços locais. Siga pela rua que o leva a passar junto do restaurante “A Tranca da Barriga”, continue pela rua estreita até chegar à estrada de alcatrão. A meio, pode ver um atelier com artesanato da Sra. Amélia. Atravesse a estrada e suba as escadas à sua frente. Vá sempre por esse caminho aproveitando para observar as construções existentes. Vai atravessar uma ribeira, esta que leva água até ao Lagar, e subir até ao estradão que o leva de novo à estrada asfaltada. Atravesse-a novamente e desça para o lagar. Não deixe de observar com atenção as tulhas (construções em xisto que serviam para armazenar as azeitonas até ser feito o azeite). Passe a ponte de xisto e suba até ao Castelejo (uma construção utilizada pelos mineiros no tempo da exploração do volfrâmio). Nesta bifurcação, desça e atravesse a ponte. Em frente da casa de xisto que fica à sua esquerda, há um caminho que o leva à aldeia do Tarrastal. Neste caminho não tire os olhos da ribeira, tem paisagens muito bonitas. Esta aldeia não tem habitantes fixos, tem casas recuperadas que servem para passar fins-de-semana e férias. Depois de visitar esta aldeia desça o caminho em direcção à ribeira. Do Tarrastal ao Corterredor vai passar num caminho muito rico em flora e fauna local, podendo encontrar raposas, javalis, entre outros. Pode ainda ver construções em xisto que o vão deixar deslumbrado. Chegado ao Corterredor pode visitar o pequeno museu particular, pode também almoçar aqui desde que encontre a pessoa responsável (Sr. Valentim Rosa) ou contacte antecipadamente. A próxima aldeia a visitar é as Mestras. Até lá chegar vai passar por caminhos muito idênticos aos que o trouxeram até aqui, flora e fauna local, construções em xisto, quedas de água, moinhos junto de linhas de água, entre outros encontros magníficos. E chegou às Mestras. Esta aldeia também não tem habitantes fixos mas como pode observar, não está ao abandono. Terminou o seu percurso.

Mapa PDF

 

 

Características

Extensão 9,2 Km
Duração 4h00m
Tipo de percurso Linear
Desnível acumulado 702 m
Altitude 628 m / 278 m
Época aconselhada Todo o ano (Atenção ao calor no verão e ao piso escorregadio no inverno)

Dificuldade
Avaliado de 1 a 5 (1: fácil; 5: difícil)

Tipo de piso 2
Esforço Físico 2
Adversidade 2
Orientação 2